Quanto tempo até ao futuro?

Sei que o futuro será melhor. Mas, e tenho a certeza que a Estela está comigo nesta pergunta, quanto tempo demora o futuro a chegar?

A minha sobrinha diz covid-janob. Enquanto, apesar de fazer parte de uma geração absolutamente tecnológica, segura no telemóvel como qualquer avô. O queixo em primeiro plano, quando aparece, a testa e os olhos a liderar como quem liga a câmera da frente sem querer.

          “Tia, não posso sair de casa por causa do covid-janob.”Mas quando lhe pergunto se tem saudades do colégio – JAMAIS! 
          Pois é, Estela! Estamos em casa por causa do covid-janob. Agora menos, procuramos um novo normal com os sorrisos tapados. O mundo é provisoriamente dos olhos que falam.
       Mas sobre este novo normal, algumas questões: quando é que poderemos dar mergulhos no mar? Quando é que vamos poder celebrar o amor dos nossos grandes amigos que escolheram este ano atípico para casar? Gostava de beber com a minha amiga Maria e vê-la dançar em cima dos sapatos novos que prometiam um dia de Verão quando o, ainda tímido Outono, já abriu as portas. Gostava de estar com a Bianchi sem medo de a abraçar. De mostrar à Rafa como ela me faz rir sem ser com os olhos ou virtualmente. E a Carol, o nosso abacate, bem sobre a Carol nem vos posso contar! A Matilde conta os dias para pisar territórios romanos mas nós ansiamos sempre poder contar com ela nos nossos jantares! E é o aniversário da Teresinha esta semana, queremos celebrar! Além disso, temos uma das tuas exposições maravilhosas este ano? O Tommy tem de casar um dos melhores amigos dele, queremos casar a Carolina e o João Pedro e conhecer a Carolina do Muller e da Cate.
         E tudo o que parecia tão simples e banal. Como acordar de manhã cheia de trabalho, tomar um café e encontrar-me com o Bala no nosso templo de cristal virado para o mar, onde o mantra é perder calorias e deixar tudo o que for má energia para trás. Sair à pressa, cheia de looks, sacos e sonhos para descobrir ruas de novas histórias com a minha irmã. Descer a rua a pé com o Tommy, numa noite de Primavera, para irmos jantar algures. Será que algum dia o voltarei a ver marcar uma picadinha, num daqueles momentos de coração nas mãos? Quero encontros de família, ir a Porto Ferreiro, estar com os meus primos, ouvir a minha avó contar vezes sem conta como o meu avô não a largou enquanto ela não casou. E ouvi-la sempre com o mesmo entusiasmo! Levar a minha sobrinha à marginal, para experimentar os patins novos que eu e o Tomás lhe oferecemos no aniversário, com a certeza de que não estamos a fazer nada de errado.
         Quando é que poderemos dizer finalmente que saímos disto? Entrar num avião uma vez por mês? Voltar a ver as minhas colegas de trabalho (influencers) para nos rirmos durante três dias seguidos e concluirmos que, realmente, não há melhor trabalho no mundo?
          Não há nada como o Verão na Europa! Vamos perdê-lo? Vamos deixar as ilhas gregas desertas de amores de Verão? Deixar Ibiza perdida de danças ao pôr do sol? As cidades europeias pré-capitalização, quase só faladas numa língua? Por outro lado, a costa Algarvia será só nossa?
          Não me interpretem mal. Não estou de todo a menosprezar a importância do problema, que é tão maior do que mergulhos no mar. Nem a apelar à “normalização” do que não pode ser normal. Estou a aprender, tal como vocês, a viver no novo normal. E estou feliz. Este texto está ao nível da afirmação da minha sobrinha. É um desabafo saudoso. Sei que o futuro será melhor. Mas, e tenho a certeza que a Estela está comigo nesta pergunta, quanto tempo demora o futuro a chegar?
*As imagens em cima foram encontradas no Pinterest, se alguém conhecer as fontes agradeço que partilhem comigo para que possa identificar.
Standard

One thought on “Quanto tempo até ao futuro?

  1. Teresinha diz:

    Não é fácil pensar no dia em que vamos poder pôr tudo para trás e viver “normalmente”, sem preocupações, sem muitos cuidados. Poder estar com amigos, sem contar quantos somos, sem pensar o que precisamos levar para nos ou os “proteger”. Sem poder estar realmente perto, como nós gostamos, todas em cima uma das outras para caber na fotografia, a partilhar comida, livros, e por aí fora. Estar longe às vezes parece ser mais fácil do que estar perto. Pois assim não temos que contrariar aquilo que nos é tão natural, como estar perto.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s