The colorful mind of Gonçalo Peixoto

22 years cultivating a mind full of colors

O que é que o Gonçalo Peixoto tem? Uma mente cheia de cores e a coragem de um miúdo de 20 anos! Há um desassossego nele, balança no banco do restaurante como uma criança. Tem histórias infindáveis para contar, mais por dizer do que a minha mente consegue acompanhar. Tudo lhe parece pequeno, quer conquistar o mundo e viver onde os anjos se perderam, lá, no outro lado do Atlântico.

E é este desassossego, criatividade e coragem, parece-me, a receita Gonçalo Peixoto.

Tenho vestido:

Pink jacket & oversized shirt: Gonçalo Peixoto

Compra aqui!


What does Gonçalo Peixoto have? A mind full of color and the courage of a 20 year old! He’s restless, swings like a child while sitting on a restaurant bench. He has endless stories to tell, more to tell than what my mind can keep up. Everything is so small to him, he wants to conquer the world and live where the angels got lost, there, on the other side of the Atlantic.

And it’s this restlessness, creativity and courage, I guess, the magic secret of Gonçalo Peixoto.

I’m wearing:

Pink jacket & oversized shirt: Gonçalo Peixoto

Shop here!

Summer in white

“…white creates a strange dreamscape that color never can.”
– Jack Antonoff

O branco está para a praia como o vestido preto está para a noite. Não compromete. Aliás, o único compromisso que o branco exige é um pacto com o prazer de não fazer nada. E-mails desligados, um livro na mala, sal no cabelo e areia nos pés. São os quatro mandamentos do compromisso do branco.

Durante esta última semana estive numa relação séria com todas estas condições, mesmo quando não usava a cor do pacto. Mas, de facto há qualquer coisa de effortless no branco. A cor da paz é também a cor da vida boémia, que todos ansiamos durante as horas de trabalho. Pele bronzeada, Fato de banho cor de nada, para desligar a mente e pisar as praias de Malta com a mesma confiança de quem veste um little black dress quando a lua troca de turno com o sol.

Portanto, se o destino é um lugar exótico há uma cor que vai ser predominante na minha mala, branco. E há um lugar onde eu a vou procurar, no El Corte Inglés.

Tenho vestido: Fato de Banho ÉNFASIS; Túnica ÉNFASIS BLACK; Mala EASY WEAR


White is to the beach like the black dress is to the night. It’s just right. And it requires some kind of commitment. It requires a pact with the pleasure of doing nothing. Get that out of the office notification in your email, a book in your beach bag, salt all over your hair and sand on the feet. These are the four commandments of the white commitment.

During this last week I was in a serious relationship with all these conditions, even when I wasn’t wearing the color. But there’s something so effortless about white. The color of peace is also the color of the bohemian life, which we all yearn for during our working hours. Tanned skin, white bathing suit, and a offline mind while you enjoy the beaches of Malta with the same confidence as you wear that little black dress when the moon changes shifts with the sun.

So if the destination is an exotic place there’s a color that will predominate in my suitcase, white. And there’s a place where I will look for it, El Corte Inglés.

I’m wearing: swimsuit ÉNFASIS; tunic ÉNFASIS BLACK; beach bag EASY WEAR

The paradox of classic-edgy

“What you wear is how you present yourself to the world, especially today, when human contacts are so quick. Fashion is instant language.”
— Miuccia Prada

A melhor forma de definir o significado deste título é com um nome, Julie Pelipas, diretora da Vogue Ucrânia. Que em meados do ano passado apareceu numa fotografia de street style com uns oversized white jeans (I meeean OVERSIZED) e um body beje sem costas. O que parece até um look bem clássico quando assim descrito. Mas é mais do que isso! Se não viram este look, ou se não se lembram dele e porventura gostariam de o ver ou rever, escrevam no vosso motor de buscar: Julie Pelipas. Este look aparece repetidamente porque é de facto brilhante.

E não estou a ser pretensiosa, de todo, que acho que a minha tentativa de classic-edgy está próxima da epifania de estilo que a diretora da vogue teve naquela manhã, antes de sair de casa. Estou a km de distância. Mas quando cheguei ao El Corte Inglés a semana passada, para escolher alguns looks das três novas marcas, Woman El Corte Inglés, Woman Limited El Corte Inglés e Lloyd’s, por algum motivo aquela fotografia veio-me à cabeça. Os linhos e as peles em tons neutros são terreno seguro, é verdade! Mas o oversized rapidamente nos leva para uma nova dimensão. E as bermudas são o pico da montanha, pelo menos para mim. Sejamos realistas, o meu edgy passa pouco a linha do clássico. Mas não precisamos de estar todos na linha da frente da corrida da moda. Para mim o estilo e gosto pessoal são os verdadeiros vencedores.

Look 1: (Look total El Corte Inglés): Camisa Woman El Corte Inglés , Bermudas Woman Limited El Corte Inglés

Look 2: (Look total El Corte Inglés) Calças LLOYD’s , Camisa camurça LLOYD’s , t-shirt LLOYD’S

*Parceria remunerada com El Corte Inglés.


The best way to define the meaning of this title is with a name, Julie Pelipas, director of Vogue Ukraine. Last year I saw this street style picture of her wearing an oversized pair of white jeans (I meeean OVERSIZED) and a nude bodysuit. What might seem like a quite classic look when described. But it’s way more than that! If you haven’t seen this look yet, or if you don’t remember it and would like to see it, type in your search engine: Julie Pelipas. This look will show up repeatedly because it is indeed brilliant.

And please don’t get me wrong, I’m not being pretentious. I don’t think my classic-edgy attempt gets even close to the style epiphany the vogue director had in that morning. I’m miles away from it. But when I arrived at El Corte Inglés last week to pick some looks from the new brands, Woman El Corte Inglés, Woman Limited El Corte Inglés and Lloyd’s, for some reason Pelipa’s picture came to mind. Linen and suede in neutral tones are safe ground. But the oversized quickly takes us to a new dimension. And the shorts are the mountain’s peak, at least for me. Let’s face it, my classic-edgy is more classic than edgy. But we don’t need to be all in the forefront of the fashion race. For me personal style and taste are the real winners.

Look 1: (Full look El Corte Inglés): Shirt Woman El Corte Inglés , Shorts Woman Limited El Corte Inglés

Look 2: (Full look El Corte Inglés) Pants LLOYD’s , Suede jacket LLOYD’s , t-shirt LLOYD’S

*Sponsored by El Corte Inglés.

OH MY SUNNIES !

“Sometimes all you need is a new perspective.”

Os cenários diferem, Roma, Londres e Positano mas há um elemento em comum em todas estas fotografias. E não, não é o meu ar de felicidade, ainda que também seja uma constante. São os óculos de sol! Pois é, não importa o lugar do mundo, o mood ou o look. Até num típico dia cinzento londrino os meus olhos andam vestidos. E quando eu gosto de uns óculos de sol uso-os até descobrir um novo amor.

Além disso, a opção já é vasta cá em casa, portanto encontrar um par que me encha as medidas nem sempre é fácil. E é precisamente por isso que aqui estou. Para vos dar a conhecer a minha nova ótica de excelência: A GrandOptical que abriu uma nova loja no Braga Parque no mês passado.

Estive lá na abertura e comprovo! O atendimento é atencioso e a oferta está à altura. Na loja podem encontrar marcas desde os clássicos Ray-ban ao novo modelo da Gucci, Dolce & Gabanna, Cartier, Fendi, Miu Miu, Prada entre outros. Mas a nova loja foi só um upgrade da GrandOptical, porque já um pouco por todo o país a marca nos proporcionava uma nova forma de ver a luz do dia. Para mais informações consulta a página oficial GrandOptical, o facebook ou instagram.

*Este post foi patrocinado pela GrandOptical.


The scenario might be different, Rome, London or Positano. But there’s one element in common in all these pictures. No, it’s not my happiness, although you can also see it everywhere. It’s the sunglasses! It doesn’t matter where I am in the world, what’s the mood or the outfit, even in a typical gray day in London my eyes will be dressed up. And when I like a pair of sunglasses I use them until I find a new love.

Actually I already have so many pairs of sunglasses, finding a new pair that I really like isn’t always easy. And that’s precisely why I’m writing to you today. To tell you about my favorite optical store: The GrandOptical.

I was just at the opening of the new store in Braga (Portugal) and let me tell you the service is exquisite and they have exactly what I was looking for. In the store you can find brands such as the classic Ray-ban, the new model from Gucci, Dolce & Gabanna, Cartier, Fendi, Miu Miu, Prada among others. But this new store was only an upgrade from GrandOptical. The brand has already been providing us with new sunnies to see the light from a better perspective, in so many stores all over the country and abroad. For more information go to the official page GrandOptical, facebook or instagram.

*This post was sponsored by GrandOptical.

Whatever feels Natural

“Look within yourself, for your power is in your nature – be whatever feels natural.”

Pandora perguntou-me o que é que me faz sentir mais natural. Aqui está a minha resposta:

Viajar para voltar a casa, uma corrida matinal que acaba num banho quente e um café depois de uma noite bem dormida. Há uma harmonia nestas dicotomias que me traz alguma paz. Encontro-me em casa porque me perco pelo mundo. E corro depois de sair da cama atrás de uma catarse compensadora do meu esforço. Já o café, bem, a cafeína é o meu despertador de criatividade. 

Honestamente todos estes momentos me fazem sentir conectada comigo mesma. Mas a única altura em que tenho de facto tempo e me disponibilizo a refletir sobre o assunto é quando me sento em casa a tomar o meu café, depois de uma dúzia de aventuras.

E foi precisamente a pensar nestes momentos que a Pandora lançou a coleção Spring Garden, numa celebração à auto-confiança e individualidade. Adequada para todas as ocasiões, seja para o clímax da jornada, ou para um momento de reflexão. Há um jardim exótico dentro de nós, que merece ser comemorado e apreciado. O que é que te faz sentir mais natural? 

*Post patrocinado por Pandora.


Pandora asked me what makes me feel natural. Here’s my answer:

Coming back home after a trip, a morning jog that ends in a hot bath and a coffee after a good night’s sleep. There’s some kind of harmony in these dichotomies that brings me peace. I find myself at home because I got lost somewhere in the world. And I go for a run after getting out of bed running after a cathartic feeling. About the coffee, well, caffeine wakes up my creativity.

Honestly all these moments make me feel connected to myself. But the only time I really have time to think about it’s when I sit down to enjoy a coffee after a dozen adventures.

And it was precisely thinking about these moments that Pandora launched the Spring Garden collection in a celebration of self-confidence and individuality. Suitable for all occasions, whether it is for the climax of the journey, or for the moment of reflection. There is an exotic garden within us that deserves to be celebrated and appreciated. What about you? What makes you feel natural?

*Post sponsored by Pandora.

And she will be LOVED

A date sponsored by PANDORA
1 pm Picked her at the airport.
1:30 pm We had lunch.
3 pm She LOVED Flowers.
4 pm We ate ice cream like 2 little savages.
5:30 pm We chased the last rays of sun.

A Catarina Mira tem as maiores pestanas do mundo e é um pedaço de tarde bem passada! Escreve de uma forma melodica, tão musical que podia jurar que quando leio um artigo escrito por ela, ouço as notas de cada palavra. Tem uma sensibilidade artística muito especial e uma forma sui generis de a comunicar. E, absolutamente apropriado ao tema que me faz escrever hoje, é uma apaixonada pelo amor.

Mas esta história vai “way back”. Cruzámo-nos pela primeira vez há mais de 10 anos, tivemos uma crush pelo mesmo miúdo e ao longo destes anos fui descobrindo que temos muito mais do que isso em comum. Somos dois bichinhos do digital, portanto a comunicação é constante. Mas a distância obriga a que os nossos encontros sejam esporádicos, embora nunca aborrecidos. No Algarve, quando prometemos não passar do primeiro copo de vinho e damos por nós a caminho do terceiro. Ou em Londres, seja numa tarde de Verão algures pelas ruas da cidade, ou numa daquelas noites geladas de Janeiro a comer comida asiática. E agora, um encontro no Porto, proporcionado pela Pandora.

Escolhi meticulosamente um outfit para estar à altura da coleção Loved da Pandora e de fotografar ao lado da Catarina Mira. Saí de casa com a minha irmã (/fotografa) sentada no lugar do passageiro para apanharmos o meu date no aeroporto. Ela é fácil de encontrar, o look edgy e as pernas enormes não deixam margem para dúvida. O nosso date estava prestes a começar.

Enquanto almoçávamos o tempo voou-nos entre conversas banais. A sobremesa foi um ramo gigante de flores que comprámos ao lado do restaurante numa pequena florista. Sim, porque sem flores, isto seria realmente um date? E depois o gelado. De referir que a Mira não sabe escolher gelados com cores fotogénicas, mas é uma verdadeira pró a comer, porque acabou de comer sem uma única mancha na roupa. O mesmo já não se pode dizer de mim. Finalmente para aproveitar os últimos minutos de luz, um passeio pela cidade e uma máquina de rolo (da Catarina, claro!). 

O protagonista desta história, assim como da coleção LOVED, é o amor. A Pandora celebra o mais poderoso dos sentimentos nas suas diferentes formas, numa coleção com símbolos românticos intemporais interpretados de uma forma moderna e singular, como podem ver nas fotografias em cima. E convidou-nos a ser parte desta celebração! A Mira e eu, neste encontro com a Pandora, celebrámos uma amizade à distância, alimentada por longas conversas no whatsapp (que na verdade às vezes são só gifs) e as oportunidades que temos para estar juntas que são sempre uma verdadeira aventura. Limitar o amor ao romance é menosprezar uma palavra tão especial. E não me interpretem mal, adoro uma história Romeu e Julieta. Mas gostava de vos convidar, neste mês dedicado ao romance, a celebrar todos os tipos de amor!


Catarina Mira has the biggest eyelashes in the world and it’s a lovely company for an afternoon date! She writes in a melodic way, so musical that I fell like I can hear the notes of each word when I read an article written by her. She has this quite special artistic sensitivity and a particular way of communicating it. And she loves LOVE, which is so appropriate to the theme that makes me write today.

But this story goes way back. We met 10 years ago, we had a crush on the same kid and over these last years I’ve realized that we have so much more in common than that. We are digital kids, so communication is constant. But distance obligates our dates to be sporadic, though never boring. In Algarve, when we promised not to have more than one glass of wine and we just find ourselves on our way to the third glass. Or in London, in a beautiful summer afternoon strolling around the city, or one of those chilly January nights eating Asian food. And now, our date in Porto, sponsored by Pandora.

I picked the outfit meticulously to live up to the Pandora Loved collection and to be standing next to Catarina Mira in the photoshoot. And left home with my sister (/ photographer) sitting in the passenger seat to pick up my date from the airport. She’s easy to find, the edgy look and those legs for days leave no room for doubt. Our date was about to begin.

While we ate lunch time flew us between banal conversations. The dessert was a giant bouquet of flowers that we bought next to the restaurant in a small florist. Yes, because without flowers, could we call this a date? And then the ice cream. By the way, Catarina doesn’t know how to pick ice cream flavors with photogenic colors, but she is a pro at eating it, because she finished eating without a single stain over her clothes. The same can not be said about me. Finally to enjoy the last few minutes of light, a city tour and an old camera (Mira’s, of course!).

The protagonist of this story and of the LOVED collection, is love. Pandora celebrates the most powerful of the feelings in its most different forms. In a collection with timeless romantic symbols interpreted in a modern and singular way, as you can see in the pictures above. And invited us to be part of this celebration! Catarina and I, in this date with Pandora, celebrated a long distance friendship, fueled by long whatsapp conversations (which sometimes are just gifs) and the opportunities we have to be together that are always a hell of an adventure. To limit love to romance is to despise such a special word. And do not get me wrong, I love a Romeo and Juliet story. But let  me challenge you to celebrate all kinds of love in this month dedicated to romance.

Christmas with Tous

…is all about make the women of the family happy!

Tenho uma história para vos contar. Sempre que visito a minha avó e me sento à mesa à conversa com ela, há pormenores que não lhe escapam. Troca-me o nome com a minha irmã e com as minhas primas, nunca reparou que sou louca por jardineiras e tenho uma dezena de pares. Mas uma jóia nova não passa despercebida aos olhos da Senhora Estela. Pode ser a argola mais pequena que entrou por aquela porta em 20 anos, ela vai reparar e não vai deixar passar em branco. E como isto é um amor reciproco, eu, a minha irmã e as minhas primas cobiçamos todos os anéis da nossa avó, que nesta altura são as únicas jóias que a vejo a usar.

Porque é que eu vos contei esta história? Porque este Natal vou oferecer uma jóia à minha avó, que me gabou um anel da Tous um dia destes. E merece todos os anéis que a Tous produziu na sua existência! Sim, todos esses e mais alguns! Mas, como a minha mãe recebe notificações de todos os meus posts ( I know… psycho!) e provavelmente a esta hora está cheia de ciúmes, também tenho um presente Tous para ela. E não só! Este Natal resolvi presentear algumas das mulheres da minha vida com esta marca, com quem já há muito que criei laços. Mas finalmente resolvi dar o grande passo e levá-la a jantar com a família, na noite de Natal.

(Como devem compreender não posso mostrar os presentes agora, mas depois do Natal mostro-vos tudo!)


I have a story to tell you. Whenever I visit my grandmother and sit next to her for a good talk, there are details that her eyes won’t miss. She calls me by my sister’s or my cousins names, she has never noticed that I am crazy about overalls and I have a dozen pairs. But a new jewel doesn’t go unnoticed by Mrs. Estela’s eyes. It may be the smallest ring that came through that door in 20 years, she will notice. And since this is a reciprocal love, my sister, my cousins and I ​​covet all our grandmother’s rings, which are the only jewelry I see her wearing lately.

Why did I tell you this story? Because this Christmas I’m giving my grandmother a jewel, whom by the way liked a Tous ring I was using one of these days. And she actually deserves all the rings Tous has produced in its existence! Yes, all and even more! But as my mother gets notifications from all my posts (I know … psycho!) And probably she’s a bit jealous already, I also have a Tous gift for her. But that’s not all! This Christmas I decided to present some of the women of my life with this brand. I’ve been in a relationship with the brand for a while. But finally I have decided to take the big step and take TOUS to have dinner with the family on Christmas Eve.

(As you must understand, I can’t show you the gifts now, but after Christmas I’ll show you everything!)

One Espresso Martini Please

Who said comfy can’t look cool?

Se este look tivesse um sabor seria salted caramel: Sweet and comfy com uma pitada de sal. Para um ambiente mais confortável, com um apontamento festivo, no Natal ou Passagem De Ano, aqui está a solução perfeita: Camisola de malha, saia de lantejoulas e cowboy boots.

This is what I’d call the salted caramel look, it’s just as sweet as caramel but it has the right amount of salt to spice it up! If you’ll be spending Christmas or NYE in a chill mood but still want some party vibes here’s the perfect solution for you: Knit sweater, sequins and a pair of cowboy boots!

Look: Sfera Boots: Iro Paris

Purple-up for party season

“…and I like large parties. They’re so intimate. At small parties there isn’t any privacy.” – F. Scott Fitzgerald, The Great Gatsby

Antes dos “blues” de Janeiro vamos desfrutar das cores de Dezembro. A época mais festiva do ano demanda um upgrade no guarda-roupa. Upgrade que pode ser criativo, não tem necessariamente de ser consumista. Até porque para estar à altura de qualquer festa o dress code é o brilho nos olhos!

Before January blues let’s enjoy the colors of December! We all know festive season requires a wardrobe upgrade. Which doesn’t mean you have to leave the house now and run to a mall. It can’t be a creative upgrade. Actually the dress code to be up to every party is that sparkle in the eye.

Full look Uterquë

The Green Hope

We sat for hours, talked about my life in Los Angeles when I was 20, then law school at 23 and eventually the beginning of my blog, which brought us here today. Finally, the green emerald…

Apanhei um Uber do aeroporto para o 102 na avenida da Liberdade, em Lisboa, para me sentar com a Maria João Bahia. Em comum temos o gosto de contar histórias, ainda que de uma forma bem diferente. As histórias da Maria João são peças de arte, feitas à medida, inspiradas em pessoas. Não contam detalhes, nem excertos enfadonhos. São misteriosas, bonitas e pessoais.

Sentámo-nos durante horas, falámos sobre a minha vida em Los Angeles quando tinha 20 anos, depois a faculdade de Direito aos 23 e eventualmente o início do meu blog que nos traz até aqui. Finalmente, a Esmeralda verde.

Porquê a Esmeralda verde?” Questionava a Maria João Bahia, e a minha cabeça andava às voltas e voltas a pensar “devia ter pensado numa resposta para isto” e como sempre, sai-me a verdade da garganta, pouco poética e até um pouco supérflua, tendo em conta o lugar onde a conversa nos tinha levado. “Não sei. Talvez pela cor, dizem que é esperança não é? Ou então foram os brincos que a Angelina Jolie usou nos Óscares em 2009…”

Agora longe da conversa, sentada na minha zona de conforto, depois de ouvir as palavras da Maria João Bahia acredito que havia de facto uma razão maior do que o tamanho dos meus olhos para gostar tanto de esmeraldas verdes. Correndo o risco de soar melodramática, a verdade é vida já me trocou as voltas algumas vezes, e ainda bem, não seria a pessoa que sou hoje se assim não fosse. E o verde talvez represente essa esperança em encontrar algo melhor numa nova aventura, num novo começo. Mas nem tudo tem de ser explicado. Para mim, o amor por uma esmeralda verde, só porque sim, já é razão suficiente.

Mas a Maria João Bahia, como boa contadora de histórias que é, representou-me de uma forma mais romanceada e muito mais bonita. A minha vida desmembra-se numa multiplicidade de caminhos e aventuras que acabam sempre numa esperança verde, na esmeralda. Parece-me uma bela perspetiva 🙂


Caught an uber from the airport to the 102 on Avenida da Liberdade, in Lisbon, to sit down with Maria João Bahia. We both like to tell stories, although in a very different way. Maria João’s stories are customized pieces of art inspired by people. She won’t tell you details or boring excerpts. Her art pieces are mysterious, beautiful and quite personal.

We sat for hours, talked about my life in Los Angeles when I was 20, then law school at 23 and eventually the beginning of my blog which brought us here today. Finally, the green emerald.

“Why green emeralds?” She asked, and my head was spinning thinking, “I should’ve planed an answer to this question” and, as always, the truth just came out of my throat, not so poetic and a bit superfluous I’d say, “I don’t know, maybe because of the color, they say it means hope, right? Maybe it was because of those earrings Angelina Jolie wore in the 2009 Academy Awards ceremony…”

Now, weeks after the conversation, sitting in my comfort zone, after hearing the words of Maria João Bahia I believe there actually was a reason to like green emeralds so much bigger than the size of my eyes. This might sound a bit cheesy, but the truth is, life has played tricks on me a few times (I’m glad it did, it made me the person I am today!). And green may represent that hope in finding something better in a new adventure, a new beginning. But not everything has to be explained. For me, the love for a green emerald, just because, is itself a good reason.

But Maria João Bahia is such a good storyteller she has represented me in a more romanticized and much more beautiful way. My life dismembers itself in a multiplicity of paths and adventures that always end up in a green piece of hope, a emerald. Sounds good to me!